Jon Riberas
Presidente
Gonvarri Steel Services

Quando os departamentos corporativos me falaram pela primeira vez do projeto Emotional Driving, devo admitir que me tocou em cheio. Não apenas porque a prevenção de riscos e a segurança sejam um objetivo primário em Gonvarri Steel Services, algo a que dedicamos o máximo esforço há muitos anos, para promover comportamentos seguros e alcançar um ambiente de trabalho saudável. Esta iniciativa queria ir além: levar nossa filosofia de prevenção e segurança para o lado de fora das fábricas, fora da empresa, ao dia a dia de nossos funcionários, de todos nós, e foi isso que me entusiasmou.

Naquele primeiro contato com Emotional Driving não pensei na empresa, não pensei nas fábricas, nos números, em crescimento… pensei nas pessoas, nos 40.000 trabalhadores do grupo e em suas famílias, pensei na minha família, em meus amigos. Pensei que todos somos motoristas e também passageiros, e pedestres, e que passamos muitas horas de nosso dia no carro. Quantos minutos dirigimos por dia? Quantas vezes nos sentamos ao volante e cruzamos a rua por semana? Quantos quilômetros percorremos na estrada por mês, por ano? O mais curioso, depois da quantidade de tempo que passamos na estrada, é que nunca pensamos que vamos sofrer um acidente; isso é algo que só acontece com os outros, só a eles atinge. Nós somos invulneráveis. Esta inconsciência nos acompanhou durante muitos anos, e causou muita dor.

Por isso, quero dar meus mais sinceros e emocionados agradecimentos à Fundação AESLEME, a Mar Cogollos e Tavo Almela e a todos os profissionais que estão participando de Emotional Driving e velam pela nossa segurança nas estradas. Seus testemunhos são impressionantes, emocionam e, sobretudo, fazem refletir. Porque não podemos imaginar que algo assim possa acontecer a um ente querido, ou a qualquer outra pessoa. Olhamos sempre à distância, e temos a impressão de que não nos afeta…. até que acontece. Recentemente, o marido de uma amiga teve um acidente de moto com seu filho; ele perdeu a perna e o menino ficou em coma. Um acidente associado à imprudência de um terceiro que demonstra uma vez mais que não somos imunes, que somos humanos e cometemos erros.

Emotional Driving Madrid

Não pensemos que isso não vai acontecer conosco. Porque acontece. Como terá acontecido a vocês ou a algum familiar ou conhecida. Às vezes a tragédia ligeiramente nos toca, como um aviso (todos tivemos golpes tolos ou acidentes sem consequências graves). A pergunta é: de quantos avisos precisamos para tomar consciência?

Por isso é tão importante para nós este projeto, e o trabalho inestimável que está realizando. Como está nos ajudando a tomar consciência. Com fatos, com testemunhos que nos abrem os olhos e a mente de par em par, com a oportunidade de experimentá-lo em primeira pessoa, de vivê-lo, de senti-lo. Creio que é o melhor do projeto, a parte mais eficaz. E tudo com um enfoque positivo, que é como fazemos as coisas em Gonvarri.

Nesse sentido, colaboração com AESLEME tem sido chave para que Emotional Driving funcione com absoluta efetividade na hora de difundir esta mensagem tão necessária que é a conscientização, evitar mortes, evitar danos. E estamos especialmente orgulhosos de colaborar com eles há tantos anos em nosso trabalho de promover a segurança nas estradas.

Com a ajuda de todos estamos conseguindo. Tomar consciência dessa responsabilidade que temos ao conduzir, por nós mesmos, por nossas famílias e pelos outros, porque não dirigimos sozinhos. E porque tampouco estamos isolados de tudo o que nos rodeia, em Gonvarri sempre fomos conscientes do lugar que ocupamos na sociedade e é parte de nosso espírito cuidar, não apenas de nossa gente, mas também do que há ao redor, das pessoas, da natureza.

É parte dos valores que sempre definiram a companhia, e que herdamos de nosso fundador: honestidade, humildade, afinco e trabalho. Nossos valores e nosso código ético e de conduta são os pilares que guiam a responsabilidade social e corporativa do grupo, sobre a qual se desenvolvem nossos princípios corporativos e se cimenta nossa atividade social, nosso compromisso permanente com a sociedade.
A colaboração com a Fundação Lo Que De Verdad Importa, para promover a difusão de valores universais entre os jovens, o apoio à Fundação Juan XXIII, que fomenta a integração social e laboral das pessoas com deficiência intelectual, ou a contribuição ao projeto World Central Kitchen, que realiza um trabalho magnífico fomentando uma alimentação saudável e sustentável e reforçando a economia local em zonas que sofrem catástrofes humanitárias, como Haiti. Além de outras iniciativas solidárias que nasceram nas próprias plantas, como campanhas a favor do Banco de Alimentos, colaborações com a Cruz Roxa, coleta de brinquedos e roupas, doações de sangue…

 

GONVARRI BURGOS Emotional-Driving

São talvez esses valores e princípios, essas ações em prol de nossa gente e sociedade, o que nos faz sentir mais orgulhosos de pertencer a essa companhia. Saber que para nós, para todos nós, o que de verdade importa são as pessoas. Essa é nossa melhor apresentação de resultados.

Foram anos difíceis. Mas conseguimos combater a crise enfrentando-a e navegamos por ela. Tenho que dizer com orgulho que crescemos nesses anos de crise; agora somos duas empresas, GSS e GRI, e passamos de 26 plantas em 2007 para 40 em 2015; em 2010 éramos 3.500 pessoas e encerramos 2015 com mais de 7.500 funcionários. Devemos nos orgulhar disso. Também lutamos e crescemos na Corporação Gestamp e o resultado é que neste momento Gestamp já conta com 100 plantas e mais de 32.300 pessoas trabalhando em 20 países.

Todos juntos quebramos a barreira das 40.000 pessoas, em mais de 140 plantas industriais em 26 países. E é um orgulho pensar como começou tudo isso, com o “chefe”, meu pai e fundador. Tenho certeza de que ele também ficará orgulhoso ao ver, onde quer que esteja, no que sua empresa se converteu.

Mas se os números são importantes, e têm se revelado um motivo permanente de satisfação, também nos importa o meio onde vivemos; não apenas nos preocupamos com o faturamento, crescer, ajudar as pessoas da forma que sabemos fazer, que é criando vagas de trabalho e gerando riqueza; também temos a obrigação de devolver à sociedade parte do que ela nos deu, e para isso colaboramos há anos com AESLEME, com a Fundação Juan XXIII, com o World Central Kitchen e com a Fundação Lo Que De Verdad Importa. Por isso é tão importante, e tão “nosso”, este projeto, Emotional Driving.

Estou convencido de que essas 40 mil pessoas são um time orgulhoso de pertencer a esta empresa, de levar seu escudo para todo o mundo. Nesse sentido, quero reconhecer especialmente a colaboração de Leading The Change. Somos já muito grandes e esses meios nos ajudam a nos sentirmos unidos e participantes da mesma casa e da mesma causa.

Por último, reitero meu agradecimento a todos por este projeto, aqueles que o tornaram possível, aqueles que nos entregaram suas histórias, experiências para nos sensibilizarem (de verdade, tocaram-nos o coração), e a todos, todos, que participaram ou estão prontos a participar. Obrigado por nos ajudarem a evitar tantas tragédias.

Obrigado, sobretudo, por nos ajudarem a sermos melhores pessoas. Este é o verdadeiro êxito.

EDC_Asturias